segunda-feira, 10 de abril de 2017

Rússia e Irã revisam suas operações sírias, por MK Bhadrakumar

9/4/2017, MK Bhadrakumar, Indian Punchline











As reverberações do ataque de mísseis norte-americanos na Síria na 5a-feira são sentidas inexoravelmente na arena geopolítica. Uma série de desenvolvimentos ao longo do fim de semana assinalam que o conflito sírio está entrando em nova fase. O desenvolvimento de maiores consequências foi uma conversa telefônica no domingo à tarde entre o presidente da Rússia Vladimir Putin e seu contraparte iraniano Hassan Rouhani, por iniciativa do iraniano, para discutir a situação emergente na Síria e região.

Antes, no mesmo dia, Rouhani também falou com o presidente sírio Bashar Al-Assad para reafirmar o integral apoio do Irã. Em trilha paralela, os chefes militares iranianos e sírios também confabularam no domingo. Antes disso, no sábado, o comandante do Estado-maior das Forças Armadas do Irã, general Mohammad Hossein Baqeri e o comandante do Estado-maior das Forças Armadas da Rússia, general Valeri Gerasimov discutiram a situação síria. Reafirmaram que manterão a cooperação militar em apoio a Assad "até a derrota total dos terroristas e de seus apoiadores" (como noticiou a agência iraniana de notícias).

Novamente no sábado, os chefes dos respectivos conselhos nacionais de segurança do Irã e da Rússia, almirante Ali Shamkhani e Nikolai Patrushev conversaram por telefone, sobre a Síria. Shamkhani sugeriu, baseado em inteligência disponível em Teerã, que o ataque químico em Idlib dia 4 de abril foi executado "por terceiros, para criar um pretexto para levar a efeito um ataque militar (dos EUA) contra a Síria."

Em termos gerais, Moscou e Teerã manifestaram idêntica demanda de que se faça investigação independente do ataque químico em Idlib para estabelecer e fixar a culpabilidade. Ambas as capitais condenaram em termos incisivos o ataque norte-americano como ato "de agressão" e violação da Carta da ONU e da lei internacional.

Abaixo reproduzo o texto da declaração do Kremlin, de hoje:
  • Por iniciativa dos iranianos, fez-se hoje uma conversa por telefone entre Vladimir Putin e o presidente da República Islâmica do Irã Hassan Rouhani (...). [Os presidentes] trocaram ideias sobre as respectivas visões da situação na Síria.

  • Os dois lados destacaram a inadmissibilidade das ações agressivas pelos EUA contra o estado soberano, que viola a lei internacional. Putin e Rouhani demandam investigação objetiva, imparcial de todas as circunstâncias do incidente que envolveu armas químicas dia 4 de abril, na província de Idlib.

  • Os dois dirigentes destacaram especialmente os aspectos chaves da cooperação bilateral na esfera do contraterrorismo, e a prontidão para aprofundar essa cooperação, quando necessário para assegurar a estabilidade no Oriente Médio.

  • Os presidentes também chamaram a atenção para a importância de se manter íntima cooperação nos campos político e diplomático para alcançar acordos que ponham fim ao conflito armado na Síria.


A declaração fala de intensificarem-se as operações russo-iranianas na Síria. A intenção pode ser acelerar a libertação de áreas que ainda estão sob controle do ISIS e de grupos afiliados à Al-Qaeda. Importante: a província de Idlib, que tem fronteira com a Turquia, é uma dessas áreas prioritárias. Os grupos extremistas ativos em Idlib ainda contam com o apoio da Turquia; e alguns deles sempre foram, tradicionalmente, prepostos da CIA norte-americana.

Em segundo lugar, é mais do que provável que se organizem discussões sobre como contra-atacar qualquer futuro ataque dos EUA na Síria. A mídia iraniana ligada ao Corpo de Guardas da Revolução Islâmica do Irã comentava hoje uma declaração emitida pela chamada "Sala de Operações Conjuntas" de Síria-Irã-Rússia – que coordena as estratégias militares na Síria. A declaração alertava que quaisquer futuras agressões pelos norte-americanos receberá "resposta letal": "Responderemos com força a qualquer agressão; Rússia e Irã jamais permitirão que os EUA dominem o mundo."

Significativamente, as mais recentes declarações iranianas referiam-se à cooperação estratégica entre Irã, Síria, Rússia e a "frente da resistência". A declaração do Kremlin hoje falava explicitamente de uma mútua "prontidão" de russos e iranianos para "aprofundar a cooperação com vistas a assegurar a estabilidade no Oriente Médio." Consideradas todas essas declarações oficiais, a cooperação militar russo-iraniana na Síria pode assumir novas dimensões, como estratégia regional coordenada. *****



Um comentário:

silvio marcus barroso salgado disse...

Continuo perguntando a RÚSSIA, CHINA e IRÃ como vão ser as reações após o bombardeio da Coreia do Norte? Tá cara que o TRAMP agora vai desafiar a CHINA, pois os generalecos do Pentágono não engoliram as ilhas artificiais da CHINA sem suas autorizações. Como sempre o Japão_OCUPADO já tem a declaração de apoio como a Alemanha_OCUPADA, ... Coreia do Sul e assim vão os lacaios. Por último vai sobrar para o IRÃ, qdo mandarem a frota para dentro do Golfo Persa, aí só DEUS o que vai acontecer. Ah sim! i$$$raHell nestas alturas já estarão de diarreia cerebral / verborragia / .... . Quero ver !!!!!!!