sábado, 24 de setembro de 2016

EUA e Síria: Relatório de Situação (SITREP)

24/9/2016, Auslander, The Vineyard of the Saker


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu


A guerra na Síria é de fato guerra entre os EUA e a Federação Russa, em microcosmo. As Forças Armadas da Rússia demostraram impressionante talento tático, e os diplomatas russos mostraram que são os melhores diplomatas do mundo. 

Com a União Europeia reduzida a suplicar e arrastar-se pelo chão aos pés de Washington, e Washington nada faz além de pôr-se aos berros e gritaria, feito criança a quem se nega um pedaço de bolo, Vladimir Vladimirovich Putin e Lavrov com grande talento prenderam Washington numa armadilha de raposa. 

Que ninguém pense, nem por um segundo que o mundo não esteja assistindo a tudo isso com o coração na boca, todos pendurados a cada declaração, a cada nuance de frase, a cada leve movimento de mãos. 

A guerra na pequena Síria é reconhecida em todo o mundo como a guerra por todas as bolas da mesa. Se Washington perder essa – e eles estão perdendo – é fim de jogo. Os que tenham mais ou menos a minha idade não viverão para ver o fim dos EUA, mas viveremos para ver o fim dos EUA como suposta maior potência mundial.

The Saker: Por que eventos recentes na Síria mostram que o governo Obama está em confusa agonia terminal

23/9/2016, The Saker, The Vineyard of the Saker


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu



Os mais recentes desenvolvimentos na Síria não são, creio eu, resultado de algum plano deliberado pelos EUA para ajudar seus "terroristas moderados" aliados em campo, mas sintoma de algo talvez pior: os EUA parecem ter perdido completamente o controle sobre a situação na Síria e, possivelmente, também em outros pontos. Permitam recapitular o que acaba de acontecer:

Primeiro, depois de dias e dias de intensas negociações, o secretário Kerry dos EUA e o ministro Lavrov de Relações Exteriores da Rússia finalmente chegaram a um acordo sobre um cessar-fogo na Síria que teria potencial para pelo menos "congelar" a situação em campo, até as eleições presidenciais nos EUA e a troca de governo (esse é agora o evento mais importante no futuro próximo; assim sendo, nenhum plano de nenhum tipo estende-se além daquela data.

Missão bandida: Pentágono bombardeou Exército Sírio para matar o cessar-fogo?

20/9/2016, Mike Whitney, Unz Review


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu


"Tudo sugere que o ataque (...) foi cometido deliberadamente por forças dentro do governo dos EUA hostis ao cessar-fogo (...). Alegações de que os norte-americanos não saberiam quem estavam bombardeando simplesmente não são críveis e são completamente desmentidas por outros relatos da mídia"
– Alex Lantier, World Socialist Web Site



Um 'racha' entre o Pentágono e a Casa Branca foi convertido em rebelião declarada no sábado, quando dois jatos F-16s e dois aviões de combate A-10 dos EUA bombardearam posições do Exército Árabe Sírio (EAS) em Deir al-Zor matando no mínimo 62 soldados regulares sírios e ferindo outros 100. Os EUA assumiram responsabilidade direta pelo incidente, que chamaram de "um erro", mas o momento em que o massacre ocorreu fez crescer as especulações de que o ataque foi tentativa desesperada, no último segundo, para fazer gorar a implementação do frágil acordo de cessar-fogo contra o qual os líderes do Pentágono posicionaram-se abertamente. Muitos analistas trabalham hoje para tentar definir se os ataques são mesmo indicação de que o Departamento de Defesa infestado de neoconservadores estaria ativamente sabotando a política do presidente Obama para a Síria, o que implicaria que o Pentágono estaria sob comando de rebeldes antidemocráticos que rejeitam a autoridade constitucional civil. O massacre do sábado passado sugere fortemente que cresce um motim dentro do Departamento de Guerra.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Moon of Alabama: Hillary Clinton perdeu

23/9/2016, Moon of Alabama


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu



A eleição presidencial de 2015 nos EUA está decidida. Hillary Clinton não vencerá. Ela sabe que não vencerá (vejam aí – e podem desligar o som. O que Hillary diz sempre é irrelevante).



Clinton falou ["Por que não estou 50 pontos à frente?!] numa vídeo conferência do Sindicato Internacional dos Trabalhadores da América do Norte. Está furiosa com tudo à volta.  Absolutamente não compreende por que (outra vez) fracassou.

Todas as pesquisas estão-se movendo contra ela. "Mas Trump é mentiroso!" 

Claro que é. Todos sabemos que ele mente. É um vendedor buscando ganhar o freguês. É esperável e esperado que Trump minta e exagere. Nem ele se esforça para esconder que mente. É mentiroso sincero, autêntico na própria mentira.

Por isso ainda é – para muita gente – homem de quem se pode gostar e em quem, no fundo, pode-se basicamente confiar.

Hillary Clinton é política-profissional: vive de mentir que não mente. Mas o currículo de sua vida pública é conhecido. Todos sabem que ela mente e só mente, e sempre mente. Não é autêntica. Não inspira confiança. Sequer inspira simpatia. Basta vê-la em ação, furiosa, na terrível perfomance midiática acima.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Plano e agenda dos EUA para balcanizar a Síria, por Pepe Escobar

22/9/2016, Pepe Escobar, RT


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu



Podem esquecer aquelas reuniões intermináveis entre Sergei Lavrov e John Kerry; podem esquecer o impulso da Rússia para impedir que o caos tome conta da Síria; podem esquecer a possibilidade de real cessar-fogo a ser implementado e respeitado por jihadistas prepostos dos EUA.

Podem esquecer qualquer investigação pelo Pentágono, do que realmente aconteceu no bombardeio que o Pentágono cometeu 'por engano' em Deir Ezzor.

A prova definitiva da real agenda do Império do Caos para a Síria, pode ser obtida num documento de 2012 da Agência de Inteligência da Defesa [ing. Defense Intelligence Agency (DIA)], que deixou de ser protegido por sigilo em maio do ano passado.

Playing Algoritmo’n Blues, por Pepe Escobar

16/9/2016, Pepe Escobar, Strategic Culture Foundation


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu



Vivemos na Era do Algoritmo.

Assim sendo, eis aqui uma estória que não só sintetiza a era, mas alonga-se sobre como a obsessão do algoritmo pode dar horrorosamente errado.

Tudo começou quando Facebook censurou a foto icônica de Kim Phuch, a 'menina do napalm', que se tornou um símbolo da Guerra do Vietnã reconhecido em todo o planeta. A foto foi incluída num postado de Facebook pelo escritor norueguês Tom Egeland, que queria iniciar um debate sobre "sete fotos que mudaram a história da guerra".

Não só a foto foi apagada; Egeland também foi suspenso de Facebook.

Síria 2016: Ataque ao comboio de suprimentos indica escalada na guerra

20/9/2016, Moon of Alabama 


Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu



O espetáculo em torno do comboio danificado na região a oeste de Aleppo já atinge nível de comédia.


O comboio UN/SRC veio do setor oeste, controlado pelo governo sírio. Chegou a um centro da organização Crescente Vermelho Sírio em Umm al Kubra na área suposta controlada por "rebeldes" mais a oeste, onde começou a ser descarregado. Algo aconteceu e vários dos caminhões incendiaram-se ou foram danificados por outros meios. Supostamente teria havido 20 mortos. O incidente ocorreu pouco depois de ter expirado oficialmente o cessar-fogo. Equipes de propaganda dos "Casquetes Brancos" patrocinados pelos EUA estavam lá quando ou imediatamente depois de o incidente acontecer.